Metáfora da Semana

Metáfora da Semana 24, em 17 de Junho de 2017

Educação

Exausto, depois de um dia de caminhada pela estrada, o peregrino sentou-se à sombra da árvore. Antes de adormecer, contemplou um grupo de crianças, sem escola, brincando alegres num terreno baldio. Adormeceu sob essa impressão e sonhou: as crianças cresciam desproporcionalmente, agigantando-se sobre a cidade. Já não eram alegres, apresentavam fisionomias sombrias e  agressivas e, ao andar, esmagavam casas e pessoas sob seus pés insensíveis e monstruosos.

Acordou sobressaltado e logo veio-lhe em pensamento, como um sinal profético, o que seria sua missão: as crianças precisavam ser educadas.

Entusiasmou-se pela causa, mas antes era necessário criar a escola no coração das crianças.

Conquistou-as e, lentamente, foram surgindo as instalações, modestas, mas agradáveis, pela pedagogia do mutirão, com adesão de muitos pais.

Todavia, oposições veladas de professores e de alguns pais, robustecidas pelo apoio do prefeito, acabaram por liquidar com a “aventura subversiva”.

Já na estrada, escorraçado, o peregrino olha e, repentinamente, passa-lhe uma visão fugaz: vultos monstruosos crescem ameaçadores sobre a cidade indefesa...

Visão e Parábolas
Francisco Gomes de Matos
Editora Campus