Metáfora da Semana

Metáfora da Semana 07, em 15 de Fevereiro de 2020

O verdadeiro valor

Certa vez, um jovem foi procurar a ajuda de um mestre e lhe falou do quanto também se sentia desrespeitado, pouco valorizado, sem vontade de fazer qualquer coisa. O jovem queixou-se das reclamações que recebia dos amigos, de que ele era bobo, desajeitado, atrapalhado... e concluiu o rosário de lamentações indagando em lágrimas:

 - Mestre, o que fazer para mudar?

O sábio, sem olhá-lo, respondeu:

- Sinto muito, meu jovem, mas nada posso fazer para ajuda-lo, a não ser que você primeiro me ajude a resolver o meu problema.

- Qual é o seu problema, mestre? – perguntou interessado o jovem, embora mais uma vez se sentisse em segundo plano.

- Quero que você consiga o melhor preço possível pela venda deste anel. Preciso pagar uma dívida hoje à tarde e portanto não posso deixar de ganhar pelo menos, uma moeda de ouro.

O jovem pegou a joia e com um fio de esperança de depois receber a ajuda do mestre, saiu à procura de um comprador para o anel.

Foi ao mercado e conversou com inúmeras pessoas sem sucesso. Sempre que dizia o valor desejado riam, falavam em moedas de prata, de cobre... menos em ouro.

Desanimado, como o sol que se punha, depois de arder o dia inteiro, retornou o jovem para o mestre:

- Mestre, mais uma vez fracassei - balbuciou cabisbaixo.

- Não conseguiu por quê?

- Se o preço não fosse tão alto. Alguns me ofereceram cobre, prata....

- Isso é importante, meu jovem. Precisamos saber o verdadeiro valor das coisas. Quem melhor poderá avaliar esta joia?

- O joalheiro, mestre.

- Então vá lá e pergunte o quanto ele pagaria pelo anel, mas não o venda. Traga-o aqui!

O jovem agora meio intrigado, saiu em disparada e foi ao joalheiro que prontamente o recebeu:

- Diga ao mestre, que se ele quiser vender agora, não posso pagar mais do que cinquenta e oito moedas de ouro.

- Cinquenta e oito? – admirou-se o rapaz.

- Sim. Certamente outros lhe pagarão mais, mas eu só disponho deste capital, agora.

O jovem não quis ouvir mais nada. Saiu correndo ao encontro do mestre que o recebeu calmamente.

- Meu filho, você é como estre anel: uma joia valiosa e única. Você tem que se dar o verdadeiro valor. Se nós não somos joalheiros, se não sabemos de que material somos feitos, como vamos nos avaliar? Pior ainda, como exigir que os outros nos valorizem? Como você não sabia o valor do anel não podia argumentar e se calava diante das mais estapafúrdias promessas de compra...

- Quer dizer, mestre, que nem eu reconheço meu valor?

- Isso mesmo! Você tem todos os recursos possíveis para vencer qualquer dificuldade. Só precisa desbloqueá-los e fazer bom uso deles.

Autor desconhecido