Espalhe o sorriso – ou a cara feia

Escrito por: 

Publicado em: 

ter, 09/01/2018


O impacto indireto

Às vezes, não percebemos a influência que temos sobre as pessoas – para melhor ou pior.

E a mulher e a criança que me deram aqueles adoráveis sorrisos, certamente não sabiam disso.

Eram cerca de 8 e meia de uma manhã dreich (palavra escocesa para triste e miserável), uma manhã de meio inverno e eu estava dirigindo para um dos nossos cursos de PNL.

Atravessando a pequena aldeia de Winkton, na New Forest, o tráfego estava pesado, para choques encostados e a fila movendo-se continuamente nos dois sentidos. E esperando para atravessar a estrada uma mulher com o filho de aproximadamente sete anos a caminho da escola.

Parei e acendi os faróis para alertar o tráfego que vinha no sentido contrário que, em seguida, parou para permitir que eles atravessassem a estrada.

O sorriso

Ao atravessar a estrada, ela fez contato visual, bem como o menino, e ambos acenaram alegremente e me deram o mais maravilhoso sorriso.

Para mim, parar tinha sido uma reação quase automática. Minha mente estava em outro lugar, revisando o material para o workshop que eu ia apresentar. Mas ela continuou sorrindo enquanto atravessavam a estrada e continuou a olhar para mim diretamente ainda sorrindo – e, como consequência, eu tive que sorrir de volta. A simpatia do sorriso dela provocou um sorriso genuinamente alegre e um sentimento de carinho que permaneceu comigo por toda a manhã.

E ela provavelmente nunca saberá o que fez por mim

Podemos fazer isso com um sorriso

Eu, muitas vezes, dirijo na hora do rush, especialmente depois que deixei de morar no campo e, mais uma vez, me tornei um morador da cidade grande. E, como todo mundo, quando estou tentando sair de uma estrada lateral ou mudar de faixa, confio na boa vontade dos outros motoristas para cederem um espaço.

A maioria dos motoristas já percebeu que nós precisamos dar lugar uns aos outros para manter o tráfego fluindo sem problema. E é ótimo quando alguém deixa você passar, especialmente quando o fazem com um aceno ou um sorriso. E quando estou nessa posição, eu gosto de fazer o mesmo.

E, claro, quando o meu aceno ou o sorriso é correspondido, cria uma amorosa energia de boa vontade para o mundo por um tempo. E é por isso que provavelmente eu continuo a dar passagem e a sorrir para os outros. O qual, por sua vez, passa adiante o sorriso e a generosidade.

Eu já observei o que acontece quando permito que as pessoas que estão esperando numa estrada lateral, ingressem na fila ou no fluxo de trânsito em que eu estou. E notei que depois, a maioria dessas pessoas tende a ser mais cortês e prestativo com os outros durante algum tempo.

Ou podemos fazer uma cara feia

Infelizmente, é claro, o contrário também é válido. Quando as pessoas se recusam a dar passagem, mesmo num trânsito quase parado, eu, às vezes, fico um pouco irritado (embora eu seja um verdadeiro penelista, esta é, é claro, uma experiência extremamente rara...!) e, durante uns poucos minutos, é menos provável que eu dê passagem, e muito menos sorria para os outros motoristas -- uma descortesia que eles sem dúvida passam adiante.

Aqui eu também notei o efeito indireto. Aqueles que têm que forçar o caminho para entrar na fila ou no fluxo tendem a dirigir de uma forma mais agressiva, colar no carro da frente e raramente dão lugar para alguém – seja motorista ou pedestre.

E quanto a mim e você?

Agora, escrever isso levantou o meu ânimo. E me fez pensar. Se, ser generoso e cortês, como motorista, nos faz sentir bem, por que não somos realmente egoístas e começamos com o hábito de repetir isso muito mais vezes?

Memo para você: na próxima vez que entrar no carro, lembre-se de ser egoísta.

O artigo original "Spread the smile – or the scowl" encontra-se no site https://nlp-now.co.uk/

Categoria: